terça-feira, 25 de maio de 2010

2020: a Internet ultrapassa o Broadcast

Pelo menos esta é a previsão de um grupo de difusão norte americano TDG. Mas, um detalhe chama a atenção no relatório, o grupo afirma também que está superação não se dará nos desktops ou notebooks e etc. Ela se dará nas telas dos aparelhos de TV. “Nos próximos 5 ou 7 anos a televisão será o principal veículo para visualização de vídeo na web”. Afirma o relatório (veja matéria completa).

Pelo menos nos EUA isto pode ser mesmo verdade. O governo americano está implantando um projeto de banda larga em altíssima velocidade. Soma-se a isto, a produção de aparelhos de TV prontos para a navegação na web, TV Google, Apple TV, Set-to-box, Xbox e etc.

Mas, o ponto mais interessante no relatório, é a afirmação de que esta será uma mudança natural para as pessoas. Chegará um ponto que não fará diferença nenhuma para o telespectador se o video que ele quer ver estará vindo de uma transmissão aberta, fechada ou por on-demand.

O futuro do conteúdo na TV envolverá poucas transmissões ao vivo. Nicoloas Negroponte já havia feito esta previsão em seu lívro A Vida Digital. E ela está se confirmando. Até mesmo o telejornalismo deverá se render ao on-demand. Entretanto, esta nova característica da televisão (com audiencia fragmentada e entrega de vídeos) vai de encontro com a característica principal da tv analógica construida em seus mais de 70 anos de história, na opinião de alguns teóricos. 

Número de horas gasta no consumo ao vivo na televisão x internet, de acordo com previsão do grupo TDG

Dominique Wolton, é um dos principais críticos à hipotese de que a internet irá superar a televisão. Em seu livro Internet, e Depois?, ele afirma que nenhum outro veículo conseguirá envolver um número tão grande de indivíduos, ou seja, capaz de realmente atingir a massa. “É essa certeza da comunicação de massa que faz sua força e explica seu papel inestimável de veículo social e de abertura à cultura contemporânea” (WOLTON, 2007, pág. 64). Já a conhecem a mais de 70 anos e já se acostumaram a falar sobre o que é visto nela. Muito mais importante do que se é visto nela.

Aqui no Brasil, indicativos apontam para o aumento do consumo de vídeos na web e nos aparelhos de TV. Conforme quadro abaixo, publicado no portal Uol (veja matéria completa), games, DVD, VHS e micros já possuem audiência maior do que a TV Band e Rede TV. Assim, como os canais UHF e pagos, já são a quarta maior audiência da TV brasileira.


Outro dado que preocupa, é share (número de aparelhos ligados), que está diminuindo. Especialistas do setor apontam que esta foi uma década perdida em relação a audiência. O share diminuiu um ponto percentual de 2001 a 2009, apesar do números de aparelhos de televisão nos domicílios terem crescidos de 41,1  milhões, para 54,3 milhões. Confira matéria na integra (veja matéria completa) no portal Uol.

Fonte:

Internet:
Media Post
Portal Uol

Livro:
WOLTON, Dominique. Internet, e Depois? uma teoria crítica das novas mídias. Editora Sulina: Porto Alegre, 2007.

Nenhum comentário: