terça-feira, 26 de janeiro de 2010

A salvação dos jornais?


Está chegando ao Brasil a segunda versão do leitor de livros eletrônicos, o Kindle DX. O dispositivo foi o item mais vendido pela gigante Amazon. Aqui, pode ser adquirido pela singela bagatela de U$ 489,00 Dólares. Possui uma tela de 9,7 polegadas, conexão 3G para download de livros e jornais e memória interna de 3,3 GB, o que lhe permite armazenar 3500 livros. Alguém ainda duvida que os livros de papel  irão acabar?
Porém, o que pode decretar o fim do livro impresso pode ser a tábua de salvação dos jornais impressos. O Kindle é perfeito para leitura de jornais, já existem modelos nos EUA com telas maiores que permite uma leitura quase idêntica ao papel, mas sem a sujeira do papel nas mãos. 
Tomara que os jovens de hoje que abandonaram a leitura diária de jornais, sejam motivados para se tornarem leitores amanhã, mesmo que totalmente digital. O problema é que já existem muitos opositores ao Kindle e essa é uma posição errada e perigosa. Para o jornalismo o importante é ser lido, não importa se no papel ou em uma tela digital, ou não?

Um comentário:

Andresa disse...

Realmente os jornais precisam de mudanças imediatas para resistirem no mercado. Segundo dados do IVC divulgados em uma matéria do portal comunique-se a circulação dos jornais caiu 3,5% no ano passado.
Qualquer mudança será muito bem vinda, e realmente como você diz no texto, o que é importante é ser lido, não importa se é no papel ou na tela do Kindle.