terça-feira, 27 de julho de 2010

TV aberta: faturamento sobe, audiência cai.

Inúmeras notícias dão conta da queda da audiência das emissoras de TV aberta no Brasil e no mundo. Outras tantas dão conta das inovações tecnológicas que estão mudando os hábitos dos telespectadores, mas mesmo assim, as emissoras de TV aberta do Brasil divulgaram balanço com alta no faturamento. O SBT anunciou um faturamento 32% maior no primeiro trimestre e a Band, 44%. Como explicar isto? As duas emissoras afirmaram que é reflexo dos investimentos na programação (Fonte: Tela Viva News). Porém, não é tão simples assim. É uma questão de lei de mercado.

Primeiro que este ano é um ano atípico, pois foi ano de Copa do Mundo de Futebol e é ano eleitoral. Assim, já era esperado um crescimento no setor. Segundo, a estabilidade econômica no Brasil favorece o mercado televisivo. O aumento do crédito, baixos índices de desemprego e aumento real da renda, se converte em compras, e como a propaganda é a alma do negócio, o jeito é anunciar. Prova disto é a Pesquisa de Expectativa Empresarial elaborada pela empresa de análise econômica Serasa Experian que mostra que 55% dos 1.010 empresários consultados apostam em alta das vendas neste ano. O melhor resultado calculado desde 2005 (Fonte: Estadão).

Em post publicado neste blog (A TV Globo pode cair?), os bons números de 2010 já tinha sido previstos e a análise chamava a atenção para o perigo que isto pode representar caso os gestores das emissoras não atentem para estas questões nas estratégias para os anos seguintes.

O outro lado dessa moeda é que se por um lado a estabilidade econômica proporciona às emissoras mais anunciantes, por outro, alimenta os principais concorrentes das emissoras: internet banda larga, games e TV por assinatura. Estes três setores também estão com altos índices de crescimento.

O serviço de TV por Assinatura atingiu em junho 8.426.462 domicílios no Brasil, com 217.299 novos assinantes. Crescimento de 12,7%, segundo a Anatel. Crescimento record desde 2006, sendo que as regiões Norte e Nordeste foram a que mais cresceram Fonte: FNDC). Ou seja, exatamente onde a penetração das emissoras de TV aberta é muito grande.

Na banda larga, a Telefônica anunciou que o serviço Speedy chegou a 3 milhões de clientes e que obteve o melhor primeiro semestre da história do produto em 2010 com a adição de 363 mil assinantes, um crescimento de 14% em relação à base do final do ano passado (Fonte: FNDC).

O crescimento dos games não fica atrás. Estima-se que o mercado de games no Brasil gire em torno de US$ 300 milhões de Dólares, mas com potencial para US$ 1 Bilhão, se a pirataria não fosse tão forte aqui (Fonte: O Globo).

A partir de 2011 é que os reais números da audiência das emissoras de TV aberta vão demonstrar até que ponto as tecnologias digitais estão “roubando” espectadores. Pelo menos até 2014, onde o ciclo Copa do Mundo e eleições recomeça, somando 2016 com as Olimpíadas no Brasil. E caso, diga-se de passagem, a estabilidade econômica não sofra alguma mudança drástica de percurso.

Um comentário:

Giba disse...

Além dos números do Ibope não serem confiáveis, o valor declarado pelas emissoras como lucro também não são reais.
Algumas amargam prejuizos mas camuflam estes em empresas do grupo, como foi feito entre a Globo e a Globopar, assim os papeis da empresa principal não perdem valor e a empresa que divulga os prejuizos fica sendo a "laranja do esquema."
Quando comparados os valores levantados em pesquisas do Data Folha e os valores apresentados pelo Ibope, vemos uma diferença extratosférica, parece até brincadeira de criança.
Quanto as outras aceitarem, não é bem assim.
Uma vez a Bandeirantes questionou o fato de a Globo, em dia de manutenção, com Barra e tom de mil ciclos no ar, e o Ibope indicando Cinco pontos percentuais.
O SBT não usa o Ibope como parametro.
Um grande abraço
Giba