terça-feira, 23 de agosto de 2011

Magazine Luiza lança venda direta via redes sociais

Texto publicado em: Meio&Mensagem

Primeira ação de social commerce do Brasil tem como alvo internautas com perfis ativos no Orkut e no Facebook
José Saad Neto| ››

22 de Agosto de 2011 • 17:02 • Última atualização: 22 de Agosto de 2011 • 20:50


Até o fim de agosto, o Magazine Luiza vai inaugurar no Brasil o social commerce, venda realizada por meio de consultores digitais - internautas previamente cadastrados com perfis ativos no Orkut e no Facebook, que poderão vender produtos da rede varejista aos seus amigos virtuais. Como recompensa, os vendedores receberão bônus em dinheiro que podem variar entre 2,5% a 4,5% sobre o valor do produto vendido e serão creditados diretamente nas contas- correntes deles.

Resultado de um ano de trabalho que envolveu pesquisa de mercado e desenvolvimento do aplicativo, o projeto, batizado pela empresa como Magazine Você, deve impactar até um milhão de internautas dentro de nove meses, prevê Frederico Trajano, diretor de vendas e marketing do Magazine Luiza. “Depois que realizamos o IPO (sigla em inglês para Oferta Inicial de Ações), o nosso foco se voltou ainda mais para o e-commerce e as redes sociais vão nos ajudar a crescer ainda mais”, explica o executivo.

De carona na maré de crescimento do comércio eletrônico brasileiro que, só em 2010, movimentou R$ 9 bilhões, segundo estimativa do E-bit, o projeto Magazine Você aposta no alta audiência das redes sociais e na confiança que o brasileiro costuma ter nas recomendações de amigos. “É a venda direta, só que em vez de porta em porta, é no clique a clique”, compara Trajano. Pelos próximos três meses, o cadastro de vendedores digitais estará restrito a familiares de funcionários do Magazine Luiza – cada colaborador pode indicar um parente. Depois deste período, clientes já cadastrados na base de dados da rede poderão se candidatar. A expectativa, segundo a empresa, é atingir a marca de 10 mil vendedores digitais em até nove meses. “Temos uma preocupação com o perfil desses vendedores. Faremos uma análise um a um”, garante o executivo.

Para viabilizar o projeto, foi desenvolvido um aplicativo de comércio compatível com as plataformas tecnológicas do Orkut e do Facebook. Por meio da ferramenta, o vendedor pode montar uma vitrine com até 60 produtos, que podem ser compartilhados, no máximo, três vezes por dia pelo internauta. Outra restrição se refere à quantidade de lojas criadas. Será permitida uma por CPF em cada uma das duas redes sociais. “Com essas restrições, evitamos uma exposição exagerada”, explica Trajano.

Para o Orkut e o Facebook, o ganho estará principalmente na publicidade, já que uma das formas de recompensar os melhores vendedores será com a exposição deles nos banners publicitários das redes. Além disso, será lançada uma campanha, em setembro, cuja plataforma central será o ambiente digital, mas também terá desdobramentos na mídia tradicional.

Nenhum comentário: